Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2010

A flauta dos raros

Por: Bárbara Fragoso

Andava distraída pelas ruas da cidade. Gotas d'água pingavam na minha cabeça. Eu não sabia aonde ia... Só queria andar e ouvir o barulho da chuva que me rodeava. Meu silêncio me incomodava. Fui atravessar o sinal, mas os carros não paravam. Tinham pressa. Continuei tentando passar, mas foi inútil.
Eu não estava só. A menina dos risos estava ao meu lado. Ela tinha os cabelos cacheados e um belo sorriso. Sempre demonstrava alegria e era super misteriosa. Parecia guardar em si algo não tão fácil de compreender.
Cumprimentei-a. Como de costume, ela retribuiu sorrindo. Durante a nossa conversa, notei que ela trazia consigo um instrumento. Fiquei curiosa e perguntei o que era aquilo. Era uma flauta, não comum. Explicou-me que quando as notas e o som soavam, vários sonhos apareciam. Não eram todos que conseguiam fazê-la tocar. Ela me disse que só os raros.
O tempo parecia ter parado. Ela falou de vários sonhos. Fiquei impressionada com tudo o que ouvia. Certa vez, u…

O letreiro mágico

Continuei a caminhar na chuva... Quase não havia carro nas ruas. Já era bastante tarde. Olhei para cima e vi um letreiro que brilhava.Eu não conseguia lê-lo. As letras estavam tão bagunçadas!

Devia ser só mais um daqueles anúncios comuns. Elas piscavam: "O Teatro Mágico". Imediatamente as palavras da menina dos risos vieram à minha cabeça. Só os raros e os loucos podiam participar... Como eu queria ter o sonho de uma flauta!
Qualquer pessoa que estivesse passando não repararia aquelas palavras. Logo em seguida, elas sumiram e depois voltaram a piscar desordenadamente "O Segundo Ato". Aquilo me tocou profundamente... Eu não tinha uma flauta mágica, mas conseguia ler aquelas letras. Então, eu devia ter alguma ligação com aquele Teatro Mágico.
Sinto que tudo isso veio para temperar os meus sonhos. Curou as febres. Comecei a voar como vagalumes. Agora, não estou perdida. Aos poucos, aprendo a morrer... Comecei a ser platéia de mim mesma. O Teatro Mágico de cada dia revel…