Pular para o conteúdo principal

O letreiro mágico

Continuei a caminhar na chuva... Quase não havia carro nas ruas. Já era bastante tarde. Olhei para cima e vi um letreiro que brilhava.
Eu não conseguia lê-lo. As letras estavam tão bagunçadas!

Devia ser só mais um daqueles anúncios comuns. Elas piscavam: "
O Teatro Mágico". Imediatamente as palavras da menina dos risos vieram à minha cabeça. Só os raros e os loucos podiam participar... Como eu queria ter o sonho de uma flauta!

Qualquer pessoa que estivesse passando não repararia aquelas palavras. Logo em seguida, elas sumiram e depois voltaram a piscar desordenadamente "O Segundo Ato". Aquilo me tocou profundamente... Eu não tinha uma flauta mágica, mas conseguia ler aquelas letras. Então, eu devia ter alguma ligação com aquele Teatro Mágico.

Sinto que tudo isso veio para temperar os meus sonhos. Curou as febres. Comecei a voar como vagalumes. Agora, não estou perdida. Aos poucos, aprendo a morrer... Comecei a ser platéia de mim mesma. O Teatro Mágico de cada dia revela o meu teatro interior. Os meus personagens. A minha melodia. E, assim, os insetos interiores vão sumindo. O que esse roteiro imaginário busca é a dilatação da alma.

Comentários

Lucas disse…
esse DVD será realmente incrível :D

Parabéns pelo Blog garota ((: você escreve muito bem !

que bons ventos te tragam mais inspiração, para que eu possa te visitar mais vezes :#
Lii Schuede disse…
Eu também sou uma blogueira TM e estou concorrendo com você, mas não importa.
Eu li seu texto e não pude deixar de comentar. Texto lindo, lindo. Só quem entende na vida e é fã de verdade dessa trupe encantadora para escrever sobre eles como você escreveu; uma história mágica, com palavras doces e uma sinceridade sem igual!
Não importa que eu não ganhe, mas estou torcendo também por você!
E quem sabe a gente não se encontra por lá, no show, não é?
Boa sorte pra nós menina doce, e parabéns pelo texto encantador, que me encheu de lágrimas no olhos!:)
Mony_naBalada disse…
Estou visitando todos os blogueiros TM.. E deixando um recado de boa sorte pra todos nós, mais o seu merece mais q isso..

muito criativo e expressivo..

=]

~~ A poesia prevalece!!!
Iesus disse…
salve salve....
estou passando pra desejar boa sorte no concurso meu blog esta concorrendo também, se possível quando puder da uma olhada la temos um podcast sobre assuntos variados, em breve um podcast sobre musica independente....

http://papofandangos.wordpress.com/

abraço e parabéns pelo blog
@inhesus
POSTS SEM BATER disse…
Também estou participando dos blogueiros TM e adorei o seu texto!!!
Só mesmo o Teatro Mágico para gerar esse mixe de sensações e fazer as pessoas reproduzirem tais sensações com tanata emoção e sinceridade!!!

Parabéns pelo ótimo texto!!!

Boa sorte

De rara pra rara!!

bjooos

Mari Pereira ( www.postssembater.blogspot.com)

Postagens mais visitadas deste blog

Fernando, Anitelli e seus vários personagens

Por: Bárbara Fragoso

Roupa vermelha. Sorriso estampado. Sapatos extravagantes. Rimas na ponta da língua. Barba comprida. Cara pintada. O ator, poeta, músico e compositor Fernando Anitelli é o responsável pela criação do projeto O Teatro Mágico. Com jeito brincalhão, o filho do “Seu Odácio” e da “Dona Delmina” explica que o palhaço é um dos personagens que o compõe e que representa toda a sua verdade.

Nascido em Presidente Prudente, em 1974, o cantor fala que antes de criar a trupe, cantava na banda Madalena 19. O amigo Danilo Souza, que foi o baixista da banda na época, contou dos dez anos de existência dela e das várias tentativas de gravar um CD, que não obtiveram êxito. Eles viviam um momento bem difícil, de desânimo. No entanto, resolveram ir para os Estados Unidos, com a intenção de trabalhar e definir os rumos que tomariam.

Trabalharam de garçom ilegalmente. Danilo voltou ao Brasil e Fernando ficou. E foi lá que nasceu a inspiração para a criação do projeto, com a leitura do livro …

Balões e cores

Por: Bárbara Fragoso

Amarela. Vermelha. Rosa. Laranja.Azul.Verde.Lilás.
Eram as cores dos balões da menina de vestido estampado.
Barulhos, buzinhas, estouro e um grito.
O estrondo era de um dos balões. O monge aproximou-se da menina e falou: "Escolha o balão mais reluzente e entregue-me o resto." Os seus olhos refletiram o de cor amarela. O velho sussurrou que vida era semelhante aos balões e retirou-se.