Pular para o conteúdo principal

Remoto controle

Por: Bárbara Fragoso

Carros passam. Crianças correm.
Caneta na mão e pensamento longe
Sorrisos, folhas secas, um banco de dúvidas e incertezas

Como saber o que se quer?
Ainda não sei.
Se não quero, não sei.
Sei que nada sei.

Permaneço aqui,
No banco verde.
Só como o pássaro à minha frente,
Vendo o que só eu posso ver

Até uma gota caiu de repente
E eu não caí na real
Estou...
Pelo menos, acho que estou.

Gostaria que os ventos, que agora sopram,
Levassem tudo o que agora sinto
E, assim, eu poderia reconstruir.
Tudo recomeçar!

Dizem que há o instante, o recomeço.
Mas o começo não aparece.
Penso que não vou aguentar.
Nem vou me levantar

O meu coração acelera
A minha mente fica à espera
Tem uma dor remota
Ela não me conforta, muito menos suporta

Eu finjo que levo,
Mas nem considero.
Penso que supero
E nela me espero

Ficarei por aqui,
Onde nem eu me encontro,
Onde acho que tudo é loucura.
Loucura maior é viver

Ou é permanecer sentada,
Onde o que penso me abala?
E o meu ser escarra
A minha voz se cala...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fernando, Anitelli e seus vários personagens

Por: Bárbara Fragoso

Roupa vermelha. Sorriso estampado. Sapatos extravagantes. Rimas na ponta da língua. Barba comprida. Cara pintada. O ator, poeta, músico e compositor Fernando Anitelli é o responsável pela criação do projeto O Teatro Mágico. Com jeito brincalhão, o filho do “Seu Odácio” e da “Dona Delmina” explica que o palhaço é um dos personagens que o compõe e que representa toda a sua verdade.

Nascido em Presidente Prudente, em 1974, o cantor fala que antes de criar a trupe, cantava na banda Madalena 19. O amigo Danilo Souza, que foi o baixista da banda na época, contou dos dez anos de existência dela e das várias tentativas de gravar um CD, que não obtiveram êxito. Eles viviam um momento bem difícil, de desânimo. No entanto, resolveram ir para os Estados Unidos, com a intenção de trabalhar e definir os rumos que tomariam.

Trabalharam de garçom ilegalmente. Danilo voltou ao Brasil e Fernando ficou. E foi lá que nasceu a inspiração para a criação do projeto, com a leitura do livro …

Balões e cores

Por: Bárbara Fragoso

Amarela. Vermelha. Rosa. Laranja.Azul.Verde.Lilás.
Eram as cores dos balões da menina de vestido estampado.
Barulhos, buzinhas, estouro e um grito.
O estrondo era de um dos balões. O monge aproximou-se da menina e falou: "Escolha o balão mais reluzente e entregue-me o resto." Os seus olhos refletiram o de cor amarela. O velho sussurrou que vida era semelhante aos balões e retirou-se.