Pular para o conteúdo principal

O último dó

Por: Bárbara Fragoso

Era como se as últimas notas notas estivessem baixinhas.
Era pura gritaria e desespero.
O vento havia parado.
Eu já não dormia. Não sorria.

Os pesadelos não cessavam.
Eu acompanhava de olhos abertos.
Eu já não sentia.
Na minha cabeça estabelecia a escuridão. Podridão.

Eu morreria? A morte era aquilo?
Eu não enxergava.
Debruçava-me no amontoado de pedras. Pedregulhos.
Eu preferia qualquer coisa, a passar e tropeçar naquilo.

Tocou-se o último dó.
Eu dormiria. Eu dormiria...


Comentários

Agora acordastes, Pequeno Gafanhoto??

Espero, sinceramente, que Sim...

:#