Pular para o conteúdo principal

Ele e a lua de metal

Por: Bárbara Fragoso

Peguei um trem. Dessa vez, ele não ia para qualquer destino. Me afastei da solidão e dos meus medos. Dei um salto para entrar. Pauta na mão. Eu tinha uma missão. Ela é secreta. Não vou contar.

Passei por becos vazios. Andei e andei. O semáforo fechou e, logo, aquele local tornou-se familiar. Pedi informação. Não conseguia chegar no endereço anotado. Uma moça tentou me ajudar. Perguntou para várias pessoas. Nada. Bebi um copo d'água e respirei fundo. Os minutos corriam. Até que um senhor falou brevemente que era só atravessar a pista e eu já estaria lá.

Era um encontro. Eu tinha sede. Sede de olhá-lo nos olhos e ouvir suas histórias. Logo, avistei a casa de sobrado. Ele estava no segundo andar. Gritei e ele me viu. Desceu as escadas e me pediu que aguardasse.

O sol estava prestes a se pôr. Sentei-me no sofá. E, enquanto esperava, vi a lua de metal. Quantas vezes eu e ela já tínhamos nos encontrado... Mas sempre a via de longe. Dessa vez, ela sorriu para mim de pertinho. Nostalgias me abraçaram.

Seus sapatos rastejavam na poeira da casa em reforma. Roupa limpa e sorriso aparente. Convidou-me para entrar. Apertei o "rec" do gravador. E coloquei os meus ouvidos à sua disposição. Falou-me do passado; da rotina; dos choros e alegrias. Ele havia tomado à direção do navio que me carregava. Deixei-me levar pelo temporal de palavras que soprava.

Segredos e risadas eram a nossa trilha sonora. Contou-me do tempo frio e nublado. Lágrimas brotaram dos seus olhos. Era como se eu sentisse na pele o que chegava a mim. Tive que me conter. Nem percebi o tempo passar. Queria ficar ali para sempre, bebendo da fonte dos seus contos e cantos.

Desliguei o gravador. Já estava escuro lá fora. Sabíamos que o nosso encontro não tinha terminado ali. Precisei voltar à estação de trem. O senhor de cabeça brança adoçou o meu dia. Ele pode me esperar. Em breve, tomaremos um chá e cobrirei a sua lua com as minhas rimas.

Comentários

Dinho disse…
Belo relato. Gosto bastante de períodos curtos, são mais reflexivos.
Parabéns!
Bárbara Fragoso disse…
Que bom que gostou. Muito obrigada!
Bianca Fragoso disse…
Sou sua fã.
Beijinhos.

Postagens mais visitadas deste blog

Fernando, Anitelli e seus vários personagens

Por: Bárbara Fragoso

Roupa vermelha. Sorriso estampado. Sapatos extravagantes. Rimas na ponta da língua. Barba comprida. Cara pintada. O ator, poeta, músico e compositor Fernando Anitelli é o responsável pela criação do projeto O Teatro Mágico. Com jeito brincalhão, o filho do “Seu Odácio” e da “Dona Delmina” explica que o palhaço é um dos personagens que o compõe e que representa toda a sua verdade.

Nascido em Presidente Prudente, em 1974, o cantor fala que antes de criar a trupe, cantava na banda Madalena 19. O amigo Danilo Souza, que foi o baixista da banda na época, contou dos dez anos de existência dela e das várias tentativas de gravar um CD, que não obtiveram êxito. Eles viviam um momento bem difícil, de desânimo. No entanto, resolveram ir para os Estados Unidos, com a intenção de trabalhar e definir os rumos que tomariam.

Trabalharam de garçom ilegalmente. Danilo voltou ao Brasil e Fernando ficou. E foi lá que nasceu a inspiração para a criação do projeto, com a leitura do livro …

Balões e cores

Por: Bárbara Fragoso

Amarela. Vermelha. Rosa. Laranja.Azul.Verde.Lilás.
Eram as cores dos balões da menina de vestido estampado.
Barulhos, buzinhas, estouro e um grito.
O estrondo era de um dos balões. O monge aproximou-se da menina e falou: "Escolha o balão mais reluzente e entregue-me o resto." Os seus olhos refletiram o de cor amarela. O velho sussurrou que vida era semelhante aos balões e retirou-se.