Pular para o conteúdo principal

Tudo era nada

Gritei, mas o mundo não me ouviu. Nem sequer o meu vizinho. Um amargo café me satisfazia por um dia inteiro. As minhas pernas, que mal se seguravam em pé, tremiam mais do que no inverno. Sem cor nos olhos, transformei em tons cinza e pastel os esquadros que surgiam em minha mente e no farfalhar dos meus passos. 

As paredes do corredor branco, que davam acesso ao meu quarto, misturavam-se aos quadrados brancos do piso da casa. Tudo era branco. Confundia-me. Tudo era a mesma coisa. Tudo era nada. O que havia, já não mais via. Talvez, nunca tivesse existido. Olhos cor de folha seca secavam as mentiras que vira e cegavam, demoradamente, a falsa felicidade depositada.

Bárbara Fragoso 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fernando, Anitelli e seus vários personagens

Por: Bárbara Fragoso

Roupa vermelha. Sorriso estampado. Sapatos extravagantes. Rimas na ponta da língua. Barba comprida. Cara pintada. O ator, poeta, músico e compositor Fernando Anitelli é o responsável pela criação do projeto O Teatro Mágico. Com jeito brincalhão, o filho do “Seu Odácio” e da “Dona Delmina” explica que o palhaço é um dos personagens que o compõe e que representa toda a sua verdade.

Nascido em Presidente Prudente, em 1974, o cantor fala que antes de criar a trupe, cantava na banda Madalena 19. O amigo Danilo Souza, que foi o baixista da banda na época, contou dos dez anos de existência dela e das várias tentativas de gravar um CD, que não obtiveram êxito. Eles viviam um momento bem difícil, de desânimo. No entanto, resolveram ir para os Estados Unidos, com a intenção de trabalhar e definir os rumos que tomariam.

Trabalharam de garçom ilegalmente. Danilo voltou ao Brasil e Fernando ficou. E foi lá que nasceu a inspiração para a criação do projeto, com a leitura do livro …

Balões e cores

Por: Bárbara Fragoso

Amarela. Vermelha. Rosa. Laranja.Azul.Verde.Lilás.
Eram as cores dos balões da menina de vestido estampado.
Barulhos, buzinhas, estouro e um grito.
O estrondo era de um dos balões. O monge aproximou-se da menina e falou: "Escolha o balão mais reluzente e entregue-me o resto." Os seus olhos refletiram o de cor amarela. O velho sussurrou que vida era semelhante aos balões e retirou-se.